WhAtsapp

WhAtsapp

segunda-feira, 6 de julho de 2015

Professora da Ufba exige punição a PMs que agrediram repórter do Bocão News

Após o editor de política do Bocão News, Marivaldo Filho, ter sido vítima de truculência de policiais militares e ser espancado na noite deste sábado (4), no bairro do Bonfim, em Salvador, jornalistas utilizaram as redes sociais para demonstrar repúdio à atitude da PM contra o jornalista. 
Uma das profissionais que se manifestou foi Malu Fontes, que também é professora de jornalismo da Faculdade de Comunicação (Facom) da Universidade Federal da Bahia (Ufba). Em seu relato no perfil do Facebook, a jornalista pede punição aos policiais responsáveis pelas agressões.
Confira os depoimentos
"Punição - Esses truculentos vão se ferrar tão somente por uma razão: agrediram um repórter do site BocãoNews. Se fosse uma pessoa sem esse vínculo e agindo da mesma forma, talvez estivesse preso agora, ninguém ficaria sabendo, o caso dificilmente chegaria ao Comando da PM e esses calhordas nunca seriam punidos. Como o contexto é outro, a essa hora estão arrependidos de terem nascido. Vão ouvir e sentir a desgraça. Infelizmente, só serão punidos porque agrediram um homem que sabe, pode e tem canais para berrar contra a violência que sofreu. Como ele mesmo diz, quantos casos semelhantes acontecem, todos os dias, nessa cidade, nesse país, só porque alguns policiais medonhos acham que são Hitlers reencarnados e que estão encobertos pelo estado para fazer isso? E aí, só porque estou escrevendo isso numa rede social, alguns policiais vão repetir o gesto que já fizeram contra mim, criando um meme com minha imagem, me chamando ridiculamente de inimiga número 1 da Polícia Militar da Bahia e vão distribuir em todas as redes e grupos de WhatsApp de policiais do Estado, como já fizeram uma vez? Não sou, nunca fui e nunca serei inimiga da PM. Inimigos anencéfalos, mas armados e animalescos da Polícia são policiais que agem assim por conta de uma foto de uma brutalidade feita por um cidadão. Isso independe do fato de ele ser jornalista. E aos programas que abordam a violência, taí um aviso: a banda podre é capaz de qualquer coisa, até mesmo agredir e prender jornalistas que trabalham em segmentos da imprensa que chamam os policiais de heróis e pouco dão espaço para os muitos erros cometidos por sub-bandas da corporação. Que o comandante Anselmo e o secretário Maurício Barbosa deem aos responsáveis por essa truculência o tratamento que a lei recomenda: punição. E que essa punição não seja célere somente quando for o caso de as vítimas terem acesso à imprensa. Os invisíveis pobres da periferia sofrem o pão que o diabo amassou nas mãos desses tipos. E não estou falando de bandidos. Estou me referindo a gente honesta e pobre".
Em um outro relato mais breve, Malu afirma que a população baiana atualmente tem medo da Polícia Militar. "Vamos passar a vida inteira assistindo alguns policiais agirem assim? Por que e para que essa truculência? Não há nada mais absurdo do que o cidadão correto ter medo da Polícia, mas tem. Medo deve se ter de bandido. Quando os cidadãos que não cometeram crime algum sentem medo da Polícia é porque há algo muito errado. E não é com o cidadão".

0 comentários:

Postar um comentário