WhAtsapp

WhAtsapp

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Senado aprova mudança no fator previdenciário e na pensão por morte

O Senado aprovou nesta quarta-feira (27) a MP 664, que dificulta o acesso ao benefício da pensão por morte e dá uma alternativa que pode permitir se aposentar mais cedo. A mudança já havia sido aprovada na Câmara duas semanas atrás e agora segue para sanção (aprovação final) da presidente Dilma Rousseff. A votação foi de 50 votos a 18. A medida provisória foi editada pelo governo como parte de um conjunto de propostas para viabilizar o ajuste fiscal (corte nos gastos públicos). A emenda aprovada sobre fator previdenciário altera o tempo necessário para se aposentar. Ela já havia sido aprovada na Câmara. Foi apresentada pelo deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP). Ela propõe como alternativa ao fator previdenciário o chamado fator 85/95. Os números representam a soma do tempo de trabalho e da idade (85 para mulheres, 95 para homens). Assim, uma mulher pode se aposentar se tiver 55 anos de idade e 30 anos de trabalho (com contribuição ao INSS): 55 + 30 = 85. Um homem precisa ter, por exemplo, 65 anos de vida e 30 anos de trabalho (65 + 30 = 95). A combinação pode ser qualquer uma, desde que dê 85 ou 95. Caso o trabalhador decida se aposentar antes de atingir essa marca, a emenda determina que a aposentadoria continue sendo reduzida pelo fator previdenciário. Esse fator reduz o valor da aposentadoria se o trabalhador se aposentar antes do prazo. A medida valeria a partir de 2016.

Pensão por morte ficou mais difícil

No caso da pensão por morte, a medida prevê a exigência de dois anos de casamento ou união estável para que o viúvo ou viúva tenha direito à pensão por morte. Antes não havia nenhuma exigência. Não existia também tempo mínimo de contribuição para ter direito ao benefício. Agora será 1 ano e meio. A duração do benefício era para a vida toda, mas agora vai variar conforme a idade da pessoa que recebe a pensão. 

0 comentários:

Postar um comentário